Reinvenção dos brindes.

12/06/2009 - Leave a Response

Uma idéia genial.

Todos os anos são distribuídos milhares de brindes no mundo inteiro. São canetas, cadernetas, uma série de itens de material para escritório, mochilas, agendas, fósforo, sabonetes, e mais uma infinidade de produtos que possam trazer alguma utilidade para os clientes, em troca de eles verem e mostrarem para outras pessoas a marca de uma empresa. O que não havia me ocorrido até então, foi que de uma forma extraordinária, havia surgido um novíssimo, porém já bastante batido, conceito de brinde.

Tentando pensar em uma forma mais barata de presentear os clientes dos meus clientes, entendi que um bom caminho seria a web. Foi aí que me caiu a ficha: Toolbars são os brindes mais distribuídos em todo o planeta. Uma ferramenta que gera “facilidades” – busca rápida, link direto, ações de apenas um clique, enfim… – em troca de manter a marca da empresa na tela do seu computador. O mundo girou em minha cabeça e muito do que não estava esclarecido para mim, até aquele momento, ficou tão óbvio! Logo alonguei meu raciocínio e percebi que uma das empresas que mais cresce no mundo, é justamente a maior distribuidora de brindes que já existiu. E o pior é que ela mesma os fabrica. O Google.

São centenas de milhares de programas, aplicativos, sistemas, ferramentas em geral, distribuídas gratuitamente para os internautas, todas com a marquinha do Google estampada nos monitores do mundo. Apenas lembrando a cada momento: “Eu existo e faço parte da sua vida.”

Uma jogada genial de mercado, uma manobra tão astronômica que hoje é possível termos na mesma tela de visualização, a mesma marca aparecendo diversas vezes, e o mais fantástico é que para não cansar o espectador, ela aparece em formas de aplicação diferentes, que se adequam a cada espaço conquistado em seu campo de visão.

Mas não para por aí. Se a forma mais eficaz de aparecer na tela de um internauta era a barra de ferramentas instalada no navegador, o Google lançou um navegador que elimina todas essas barras, e passa a ser a marca que vai estar presente na sua tela, caso o utilize, sem concorrer com as outras, pois o seu espaço, agora está reservado em local de destaque no seu campo de visão.

Daí tem-se o Google Desktop que reserva a si mesmo, um ícone na barra de aplicativos em execução, e um botão de busca que possui a marca Google na íntegra, para que você possa fazer buscas internas em seu computador (falo de PCs). Para concluir o grande feito, você é perguntado se deseja manter o Google como o seu mecanismo oficial de busca na internet, e também como página oficial de abertura. E nem comento o Google Wave, pois este ainda está por vir.
Palmas para esta marca. Ela sabe o que está fazendo.

Quando eu Crescer quero ser Publicitário

11/06/2009 - Leave a Response

Dando uma olhada no blog de Gil Giardelli, encontrei um vídeo surreal que acho que deveria ser obrigatoriamente visto por todos aqueles que querem se tornar publicitário um dia, e todos os que já são, deveriam ver também, para se tornarem publicitários um dia.

Habbo ou Orkut?

10/06/2009 - Uma resposta

Será que é para eu entrar no Habbo? Ou já basta estar no Orkut?

Eu entrei em um turbilhão de necessidades, que me pareciam ser essenciais para minha sobrevivência no mundo profissional. Era preciso entrar no Orkut e eu entrei, pois se não existisse lá, não existiria para o mundo, e um belo dia percebi que as pessoas não me chamavam mais para sair porque eu esquecia de entrar no MSN e não olhava os meus recados no Orkut. Então apareceram Smiles, Emotions, e 🙂 :/ :b … E eu tinha que saber como pô-los nos meus textos, senão eu não seria uma pessoa legal, antenada, dinâmica, atualizada. Quanto mais eu me antenava, buscava estar no TOP das novidades, percebia que ainda precisava ficar mais atualizado, até que desisti de ser o mais interado sobre as novidades que todos os outros, e passei a acompanhá-las naturalmente de acordo com a evolução das coisas. Na verdade, eu não estava acompanhando nada tranquilamente, eu já havia sido domado a agir de forma mecânica sobre tudo que aparecia de novo na web. Eu já havia me acostumado a correr e por isso não me sentia mais correndo.

De repente meu mundo desaba. Apareceram YouTube, MySpace, Facebook, Flickr, SlidShare, Delicious, RSS feed, Twiter, Digg, LinkedIn, e eu não tinha nem um Blog!

Mas porquê será que eu deveria ter um blog? Eu não já tinha perfil no Orkut?

Enfim… Após já metralhado por todas estas infinitas formas de me relacionar com várias formas de vida na web, tudo isso começa a se interligar, e todos eles começam a aparecer em baixo de uma notícia, de um vídeo, e tudo tem um botãozinho para você “Twitar”, “Blogar”, “Youtubar”, “Flickar”, “linkar” com o seu Orkut, botar onde quiser… E derrepente me aparece um tal de Habbo. Será que eu vou ter que fazer o meu cadastro e convidar as pessoas para entrarem no meu Habbo???

Um dia eu vou acabar desistindo de tudo e uma hora dessa eu acabo me mudando para o mato.